Amoroso lamenta saída do São Paulo e diz que clube venceria a Libertadores de 2006 se tivesse ficado

Ex-jogador não esconde que foi alvo de ciumeira no Morumbi e sofreu boicote quando o contrato estava para vencer

Após o fim da La Liga de 2004/2005, Amoroso rescindiu com o Málaga, acertou com o São Paulo para assumir a vaga do lesionado Grafite e foi a cereja do bolo para ajudar o Tricolor nas conquistas da Copa Libertadores e Mundial de Clubes. Em seguida, porém, o atacante deixou o clube após diversas declarações de amor para retornar à Europa para defender o Milan, da Itália. O que aconteceu?

Em entrevista ao site da ESPN.com.br, o ex-jogador, que hoje morando na Europa para ajudar os filhos a lutarem pelo sonho de jogar bola, revela que ficou triste por não ter conseguido renovar o contrato após o duelo vencido sobre o Liverpool, no Japão.

Fiquei chateado da maneira que foi. Em agosto, falei que queria renovar por mais três anos e não queria mais sair. Infelizmente foram passando os meses, e no final de outubro assinei um pré-contrato com o FC Tokyo, do Japão, que só teria validade se o São Paulo não se interessasse. Se os japoneses depositassem um valor no pré-contrato, e o São Paulo renovasse, eu devolveria o dinheiro. No final das contas, os japoneses não me pagaram, o São Paulo não me fez uma proposta e o Milan me procurou. Acabei assinando“, disse.

Sem citar nomes, Amoroso conta que seu sucesso repentino no São Paulo causou inveja em pessoas ligadas a direção e isso foi um dos principais fatores para impedir a sua continuidade já que a desculpa de pediu salário alto não pode ser usada por não ter tido nem conversas.

No ano seguinte, quis o destino que o Tricolor do Morumbi voltasse a disputar uma final Copa Libertadores na luta pelo tetracampeonato, mas acabou amargando o vice para o Internacional.

Amoroso, sem papas na língua, garante que poderia ter feito a diferença em 2006 e ajudado o São Paulo a levantar a taça.

Sabia que, se tivesse permanecido, poderia ter uma vaga na Copa de 2006. Acabou que o São Paulo não renovou meu contrato e eu acabei indo para a Itália, para o Milan. Se tivesse ficado, o São Paulo não teria perdido para o Internacional, mas infelizmente me tiraram essa possibilidade de ter o tetra da Libertadores e também um Campeonato Brasileiro no meu currículo. Às vezes agrada alguns e outros que veem seu sucesso querem te tirar aquela alegria“, finalizou.

Amoroso defendeu o Milan por apenas seis meses, depois jogou pelo rival Corinthians em 2006, vestiu a camisa do Grêmio, teve passagem polêmica pela Grécia e encerrou a carreira pelo Guarani, em 2019.

NÚMEROS DE AMOROSO PELO SÃO PAULO

Em seis meses no Tricolor, Amoroso disputou 28 jogos, marcou 18 gols, venceu a Libertadores e o Mundial.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

O Meu Tricolor usa Cookies para aperfeiçoar a experiência dos leitores. Aceita continuar? Aceito Leia mais