São Paulo lamenta a morte do jornalista Rodrigo Rodrigues, do SporTV

Jornalista faleceu aos 45 anos em razão de complicações causadas pelo coronavírus

O São Paulo lamentou a morte do jornalista Rodrigo Rodrigues, aos 45 anos. Com longa trajetória na TV e na música, RR, como era carinhosamente chamado, trabalhava atualmente no Grupo Globo, mas especificamente nos programas do SporTV, faleceu nesta terça-feira (28).

O comunicador morreu na manhã desta terça-feira, na capital do Rio de Janeiro, vítima de trombose venosa cerebral. O jornalista estava internado com complicações decorrentes da Covid-19 desde o último sábado na unidade de terapia intensiva do Hospital da Unimed.

O São Paulo Futebol Clube usou as redes sociais para lamentar o falecimento do profissional e destacou sua paixão por música e o jornalismo.

O São Paulo Futebol Clube lamenta, com imensa dor, o falecimento do jornalista Rodrigo Rodrigues. Exemplo de competência, querido por todos e de coração tão grande, terá sempre nosso respeito e nossa lembrança. Nossa solidariedade à família e aos amigos em momento tão dolorido“, publicou o Tricolor nas redes sociais.

Veja o comunicado da Globo sobre Rodrigo Rodrigues

Nesta terça-feira, dia 28, o apresentador do SporTV, Rodrigo Rodrigues, morreu no Rio de Janeiro, aos 45 anos, por complicações da COVID-19. A Globo se despede com carinho de Rodrigo, lamenta a sua partida tão prematura e se solidariza com a família e com os amigos.

Rodrigo deixa lembranças de seu bom humor e de uma carreira onde jornalismo e música sempre caminharam juntos, como contam seus companheiros do Esporte da Globo:

‘Em janeiro de 2019, o Esporte da Globo ficou mais divertido com a chegada de um apresentador bem-humorado, cheio de referências musicais e um olhar que fugia do senso comum.

Rodrigo Rodrigues apresentou diferentes programas do SporTV até se tornar titular do ‘Troca de Passes’. Apresentou também o ‘Globo Esporte’ de São Paulo em diversos sábados. Rodrigo começou a carreira em 1995, na Rede Vida. Trabalhava com o que mais gostava: música. Em 2001, cobriu o Rock in Rio. O jeito espontâneo arrancava as melhores respostas. Passou por TV Cultura, SBT e Bandeirantes e lançou o primeiro livro em 2008: “As Aventuras da Blitz”, que conta a história da banda de rock liderada por Evandro Mesquita.

Em 2011, o jornalista cultural decidiu se aventurar no esporte. Foi contratado pela ESPN e cativou os atletas da mesma forma que fazia com os músicos. Rodrigo sabia dar espaço para cada convidado brilhar. Cada um no seu momento. Como numa banda de rock, todo instrumentista tem direito ao solo. Nada mais natural para esse jornalista-roqueiro, líder da banda “The Soundtrackers”, que toca músicas de filmes e lançou três discos.

Durante uma apresentação da banda no ‘Domingão do Faustão’, Rodrigo respondeu assim à pergunta de Fausto sobre o começo de sua carreira: “Eu comecei desenhando, aí passei pro violão. E, aí, quando eu achava que ia ser professor de arte e tocar na noite, eu fiz um teste acidental e virei apresentador. Não parei mais, faz 25 anos… Mas eu nunca deixei de tocar, eu faço questão de manter a banda porque uma paixão alimenta a outra”.

Rodrigo Rodrigues tinha 45 anos. No dia 13 de julho, decidiu fazer teste para COVID-19 mesmo sem sintomas – dia 9 tinha sido seu último dia presencial no trabalho. Relatou que um amigo, com quem teve contato, tinha acabado de testar positivo. O resultado do teste de Rodrigo também deu positivo e ele foi imediatamente afastado. Nos dias posteriores, Rodrigo apresentou sintomas como falta de paladar e olfato, mas dizia se sentir bem.

No entanto, a situação mudou no último sábado. Segundo o boletim médico do hospital onde foi internado, Rodrigo deu entrada na emergência com quadro de dor de cabeça, vômito e desorientação. No dia seguinte, foi submetido a um procedimento para diminuição da pressão intracraniana em decorrência de uma trombose venosa cerebral. Ele não resistiu e teve a morte confirmada hoje’.

Desde o início da pandemia, a Globo tem nas medidas de prevenção da doença e no apoio incondicional aos profissionais contaminados com a COVID-19 as suas maiores prioridades.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

O Meu Tricolor usa Cookies para aperfeiçoar a experiência dos leitores. Aceita continuar? Aceito Leia mais